O que é?

É todo parto que ocorre antes de 37 semanas completas ou 259 dias. Sua incidência é de 8% a 10% das gestações.

Por que preocupa?

O nascimento prematuro é o problema mais sério que encontramos atualmente, sendo responsável por aproximadamente 75% da morbilidade e mortalidade perinatal.

Por que acontece?

Pode ocorrer por dois motivos: espontaneamente devido a um trabalho de parto prematuro ou quando surge alguma complicação identificada no pré-natal e é preciso antecipar o parto devido à saúde da mãe e/ou do bebê.

Quais são as principais causas do parto prematuro?

  • Parto prematuro anterior,
  • Gravidez múltipla (gêmeos/trigêmeos),
  • Rotura prematura das membranas (bolsa rota antes de 37 semanas),
  • Pré-eclâmpsia,
  • Incompatibilidade RH,
  • Polidramnio, oligoamnio,
  • Placenta prévia,
  • Descolamento prematuro da placenta,
  • Malformações congênitas,
  • Corioamnionite,
  • Insuficiência istmo-cervical,
  • Malformações uterinas,
  • Miomas uterinos,
  • Desnutrição,
  • Anemia,
  • Infecções maternas,
  • Infecções do trato urinário,
  • Condições desfavoráveis de profissão,
  • Estresse, entre outras.

Como evitar?

A melhor forma de evitar o parto prematuro é A prevenção.

Como prevenir?

Durante o pré-natal o obstetra deve se esmerar para tratar e orientar a gestante evitando as principais causas de parto prematuro. Por exemplo, identificar uma infecção urinária e tratá-la prontamente diminui o risco de parto prematuro. Além disso, ma consulta realizar o toque para identificar se o colo está dilatando de forma precoce. Avaliar a presença de corrimento vaginal que pode levar a infecção da bolsa com rotura prematura das membranas (rompe a bolsa d’água precocemente).

Durante o pré-natal pode ser solicitado a ultrassonografia transvaginal para avaliar a medida do colo uterino. Este exame pode ser realizado entre 22 e 24 semanas, e caso a medida do colo seja inferior a 15-20mm existe risco aumentado de parto prematuro.

O diagnóstico do trabalho de parto prematuro pode ser difícil. Os critérios para diagnosticá-lo é mediante contrações (cólicas) uterinas dolorosas e rítmicas (2 em 10 minutos) que acarretam a dilatação do colo uterino. Confirmado o diagnóstico de trabalho de parto prematuro e se a gestante está entre a 22ª e 34ª semana e o bem estar fetal estiver normal, pode-se utilizar medicamentos para inibir o trabalho de parto em ambiente hospitalar.

A inibição do trabalho de parto com medicamentos ajuda a postergar um pouco o parto, mas não por muito tempo. Devido o maior problema do bebê prematuro ser a dificuldade respiratória ocasionada pela falta de uma substância chamada surfactante produzida no pulmão no final da gestação, estas pacientes devem receber um medicamento (corticoterapia) para ajudar a acelerar o amadurecimento do pulmão do bebê. Este medicamento deve ser usado no período entre 24 e 34 semanas. Não é recomendável utilizar por mais de 1 ou 2 ciclos estes medicamentos.

O tipo de parto vai depender da posição do bebê no útero e do tempo da gravidez. Muitas vezes é necessário fazer a cesárea quando o bebê não está na posição correta que é com a cabecinha para baixo.

2017 © Todos os Direitos Reservados - Dra. Maria Angélica Belonia

Desenvolvido por KION | Soluções Web