O que é Tensão Pré Menstrual ?

Antes do período menstrual podem aparecer sintomas como: aumento do apetite, alteração de humor, sensibilidade e aumento dos seios, dores nas pernas e nas costas, insônia, dentre outros. Nem sempre esses sintomas afetam a rotina da mulher. Contudo, quando esses ou outros sintomas ocorrem com intensidade suficiente para perturbar a rotina da mulher, aparecendo antes da menstruação e se extinguindo após a mesma nomeamos de “Tensão Pré-Menstrual (TPM).
Tais sintomas podem ser mais evidentes e terem maior interferência em momentos em que a mulher já está passando por uma fase delicada, tal como sobrecarga no trabalho, conflitos interpessoais ou dificuldade no seu relacionamento conjugal, por exemplo.

 

Quais são os sintomas?

Já foram descritos inúmeros sintomas relacionados à TPM, sendo os mais frequentes:

  1. Irritabilidade. A mulher tende a reagir de maneira desproporcionalmente abrupta frente a um determinado estímulo, sendo que muitas vezes ela percebe que sua reação foi exagerada e até se arrepende posteriormente.
  2. Agressividade. Pode agir de maneira agressiva verbal ou fisicamente com quem está ao seu redor, as vezes descontando essa agressividade até mesmo em animais de estimação ou em algum objeto.
  3. Tristeza. As vezes a mulher se sente triste e desanimada até mesmo para fazer coisas que ela considera agradáveis.
  4. Choro sem motivo aparente
  5. Cefaléia
  6. Inchaço generalizado, principalmente no abdômen e nas pernas. Em função da retenção de água e sal pode ocorrer também aumento de peso.
  7. Dor e aumento do volume das mamas
  8. Aumento do apetite. Muitas vezes com desejo por chocolate ou outros doces
  9. Diminuição da libido
  10. Cansaço e falta de energia
  11. Aparecimento de espinhas

 

Qual a causa?

Situações estressantes podem desencadear a TPM em uma paciente que tenha predisposição a isso, sendo que o diagnóstico clínico é realizado durante a consulta com o ginecologista. Durante a conversa serão averiguadas as características, intensidade e frequência da duração dos sintomas. Não existe exame laboratorial para diagnosticar o problema.

É importante lembrar que sintomas que persistem após a menstruação não são incluídos no quadro da TPM.

Como tratar?

Algumas mudanças de hábitos podem auxiliar a amenizar e tratar os sintomas. A seguir descreveremos algumas:

  1. Atividade física aeróbica. A atividade física aeróbica é favorável para muitas coisas, dentre elas a TPM. Outros benefícios são: redução de peso, alívio da depressão, alívio da tensão e do estresse, melhora da insônia, melhora da pressão arterial, diminuição da probabilidade de câncer, etc. É importante praticar pelo menos 3 vezes por semana.
  2. Reeducação alimentar. Uma dieta equilibrada, com frutas e verduras pode ajudar a amenizar os sintomas. Sal e cafeína devem ser evitados. Os doces provocam uma melhora temporária quando consumidos, contudo trazem um efeito rebote que pioram o quadro da TPM.
  3. É recomendável evitar situações de riscos e não praticar esportes radicais ou violentos, nos quais há chance de trauma.
  4. Sugerimos conversar com as pessoas de sua convivência para que entendam a situação e possam colaborar.
  5. O acompanhamento psicológico poderá te auxiliar a entender melhor como você se sente e desenvolver seu autocontrole.

 

Caso essas medidas não surtam efeito converse com seu médico para que ele lhe dê maiores orientações.

Pode-se recorrer ainda ao tratamento medicamentoso, ainda que não exista um medicamento capaz de resolver todos os sintomas da TPM. Queixas de ordem psíquica – como tensão, agressividade e irritabilidade – podem ser combatidas com calmantes, antidepressivos, vitamina B6 e óleo de prímula.

Já para sinais de inchaço causados pela retenção de água e sal podem sem ministrados diuréticos.

Pacientes com quadros depressivos, os quais podem ser agravados durante a TPM, devem fazer acompanhamento psicológico ou psiquiátrico, uma vez que a terapia melhora significativamente a forma como a paciente vai lidar com o problema.

Queixas como cefaléia, tontura, taquicardia, compulsão por chocolate ou doce podem estar relacionadas a hipoglicemia e podem melhorar com vitamina B6, vitamina E, analgésicos, betabloqueadares, acupuntura, etc.

O uso de pílulas anticoncepcionais inibe a ovulação e tende a melhorar o quadro de TPM. A colocação e o implante de hormônio, também com finalidade anticoncepcional, além de bloquear a ovulação, suspende a menstruação em cerca de 30% dos casos. Como o uso de hormônios tem seus efeitos colaterais e contraindicações não são tolerados por algumas pacientes e não podem ser usados por outras.

Os DIUs de progesterona suspendem a menstruação em 40% a 50% das pacientes e, embora não inibam a ovulação, também melhoram consideravelmente a TPM.

A paciente que realizou histerectomia (retirada do útero, sem retirada dos ovários) e por coincidência tem TPM, terá grande probabilidade de ter seus sintomas pré-menstruais aliviados, pois não haverá mais o fluxo menstrual, embora seus hormônios e ovulação continuem normais. Não e indicada a histerectomia para tratar a TPM.

Cada paciente apresenta um conjunto de sintomas próprios, de modo que a medicação deve ser prescrita conforme os sintomas presentes, de forma personalizada. Assim, não podem ser aplicadas a outras pacientes sem que haja uma avaliação da mesma.

2017 © Todos os Direitos Reservados - Dra. Maria Angélica Belonia

Desenvolvido por KION | Soluções Web