O que é?

Essa é a parte da Obstetrícia que tem o feto como paciente, acompanhando seu crescimento e desenvolvimento a fim de avaliar seu estado de normalidade ou seus desvios, sejam eles anatômicos ou funcionais. Reconhecer essas alterações possibilita adotar uma medida terapêutica visando melhorar as condições fetais.
Geralmente o bebê se apresenta completamente normal (esse reconhecimento pode ser iniciado aos 2 meses de gestação), contudo, somente após o nascimento pode se ter a certeza da normalidade. Ainda assim, a medicina fetal ajuda a tranquilizar a futura mamãe, pois pela ultrassonografia pode ser determinado o estado morfológico e funcional da normalidade da criança, o que promove um equilíbrio emocional para a mamãe e seus familiares.

O fetólogo (médico especializado em medicina fetal) estuda as doenças maternas que podem impactar na gestação e avalia o desenvolvimento do feto, as alterações genéticas e cromossômicas. Caso alguma alteração seja diagnosticada o fetólogo irá avaliar a possibilidade de realizar um tratamento antes do nascimento. Atualmente existem possibilidade de tratamento com o feto ainda no útero, o que pode mudar o transcorrer da gestação e melhorar o futuro da criança após seu nascimento.

A seguir apresentaremos alguns exames possíveis, contudo, nem todas as grávidas precisam fazer esses exames. O fundamental é que a gestante realize o acompanhamento pré-natal com seu médico de confiança e na dependência da evolução e da caracterização de riscos e o obstetra, em conjunto com a gestante, definirá a necessidade da realização de exames específicos. As ultrassonografias morfológicas fetais de 1º e 2º trimestres, como exames de rastreamento, são recomendados. Os exames invasivos como amniocêntese e biópsia de vilo corial nunca devem ser uma imposição médica, mas sim uma decisão do casal.

Quais são os exames?

Ultra-Sonografia Morfológica Fetal de 1º Trimestre

Avalia o osso nasal, a nuca e um vaso chamado ducto venoso. Se avaliados entre a 11ª e 14ª semanas da gestação permitem uma boa avaliação acerca da normalidade do bebê e, quando alterados, é possível realizar exames mais sofisticados para verificar se realmente há algum comprometimento fetal. Além disso, pode confirmar o tempo da gravidez.

Ultra-Sonografia Morfológica Fetal de 2º Trimestre

Esse exame é mais apurado e exige maior tempo para sua realização, bem como aparelho mais sofisticado e um examinador experiente. Ele é realizado entre a 20ª e 24ª semana da gestação e permite uma visualização quase completa do feto, externa e internamente.

Amniocêntese

Esse exame pode ser realizado a partir da 15ª semana da gestação.
Consiste em punção, com coleta de líquido amniótico, que se destina para a avaliação do cariótipo (conjunto de cromossomos de um indivíduo) em gestante de alto risco para cromossomopatia (doença cromossômica, ou seja, genética) ou de acordo com a vontade do casal.

Biópsia de Vilo Corial

Coleta de fragmento pequeno de tecido placentário para análise do cariótipo fetal em situações de risco cromossômico realizado a partir da 12ª semana de gestação.

Dopplerfluxometria

Através da velocidade do fluxo sanguíneo nos diversos vasos, tanto do feto quando da mãe, esse exame avalia o estado da circulação materna que chega à placenta e à circulação do bebê, podendo trazer informações importantes sobre o bem-estar do feto e seu prognóstico.

Cardiotocografia

Exame em que os batimentos cardíacos fetais, a atividade uterina (contrações) e os movimentos fetais são captados por transdutores, colocados no abdome materno, e são registrados de forma impressa, num tempo que varia de 20 a 30 minutos e permite uma avaliação do bem-estar fetal.

Perfil Biofísico Fetal

Exame que associa a ultrassonografia com a cardiotocografia e avalia o bem-estar fetal por meio de batimentos cardíacos, movimentos, tônus e movimentos respiratórios fetais, além da quantidade de líquido amniótico.

Ecocardiograma Fetal

Exame realizado por cardiologista para avaliação detalhada do coração e da circulação fetal.

Ressonância Nuclear Magnética Fetal

Exame reservado para situações especialíssimas em que a ultrassonografia possa deixar dúvidas na avaliação de complicações fetais.

Cordocêntese

Este exame é indicado a partir da 18ª semana de gravidez e consiste na punção do cordão umbilical, sob visão ultrassonográfica, que se presta para coleta de amostra de sangue fetal para alguns exames muito específicos, e, às vezes, para tratamento fetal, principalmente transfusão sanguínea em anemias graves.

Determinação do Cardiótipo Fetal para Identificação de Síndromes Cromossômicas

Pode ser um exame realizado em material obtido por Amniocêntese ou por biópsia de vilo corial, e excepcionalmente por cordocêntese (punção do cordão umbilical). Este exame é feito em laboratório e, dependendo do tipo de material, demanda crescimento das células, podendo às vezes, demorar 2 a 3 semanas para obtenção do resultado.

2017 © Todos os Direitos Reservados - Dra. Maria Angélica Belonia

Desenvolvido por KION | Soluções Web