Como se desenvolve o Câncer de Colo Uterino?

Para o tecido benigno do colo do útero se tornar maligno (câncer) leva 4 a 6 anos, passando por uma fase de transição (lesão pré-maligna) chamada NIC (Neoplasia Intra-Epitelial-Cervical), induzida pelo HPV (Human Popiloma Virus).

Quais são os sintomas?

Nos estágios iniciais o câncer do colo do útero é assintomático. Os sintomas tardios incluem: sangramento durante as relações sexuais, sangramento vaginal fora do período menstrual, corrimento vaginal escuro e com odor, obstrução do ureter, perda de apetite e perda de peso.

Como prevenir?

A prevenção do câncer de colo uterino é feita por meio do exame Papanicolau, o qual deve ser realizado anualmente e pode revelar aquela fase de transição que dura 4 a 6 anos. Quando há alguma alteração nesse exame, indicamos a colposcopia e biópsia do colo para fazer o diagnóstico definitivo e proceder ao tratamento.

Como tratar?

Os tratamentos consistem basicamente em retirar ou destruir essas lesões pré-malignas. Observando o colo do útero com colposcopia (que aumenta cerca de 10 vezes), a lesão pode ser identificada e retirada com uma pinça, o fragmento do colo assim obtido é enviado para exame anátomo-patológico para confirmação do diagnóstico no microscópio. Caso o diagnóstico seja diagnosticado a lesão poderá ser destruída com a utilização do laser, o que deixará uma cicatriz mínima no colo do útero.

Quando a área comprometida é extensa ou não é localizada com precisão, faz-se a conização, que é a retirada de uma porção maior do colo. Ainda assim, a fisiologia do órgão não é comprometida, possibilitando um parto normal futuramente.
Caso a paciente tenha perdido a oportunidade de identificar uma lesão pré-maligna (por 4 a 6 anos), então poderá haver evolução para o câncer invasor, o qual deixa de estar localizado só na mucosa superficial e penetra nos tecidos mais profundamente. Nessa situação, o tratamento será cada vez mais agressivo, em proporção ao grau de propagação do tumor.

Nas fases mais iniciais a cirurgia oncológica resolve a maioria dos casos. Os tumores do colo do útero são sensíveis à radioterapia, a qual poderá complementar uma cirurgia ou ser realizada primeiramente (como tratamento inicial e único) com bons resultados. Já a quimioterapia pode ser empregada em casos mais avançados e apresenta resultados precários.

2017 © Todos os Direitos Reservados - Dra. Maria Angélica Belonia

Desenvolvido por KION | Soluções Web